CONTACT INFORMATION

Press Release

Estudo Health Trends 2020

 

ESTUDO MERCER MARSH BENEFITS: COVID-19 IRÁ IMPACTAR OS BENEFÍCIOS DE SAÚDE DOS COLABORADORES DURANTE OS PRÓXIMOS ANOS
 

  • O controlo de custos é crucial, uma vez que 68% das seguradoras esperam um aumento do número das despesas relacionadas com diagnósticos, cuidados e tratamentos ao COVID-19;
  • Em 2021 estima-se que os custos dos planos de saúde oferecidos pelas empresas sejam, uma vez mais, superiores à taxa de inflação
  • O trabalho remoto e flexível irá alterar significativamente os programas de benefícios de saúde para as empresas

Lisboa, 5 de novembro - A pandemia de COVID-19 veio transformar a prestação nos serviços de cuidados de saúde e alterar, por tempo prolongado, a forma como até aqui trabalhávamos, trazendo um grande impacto nos custos e no desenho dos programas de benefícios de saúde para as empresas, de acordo com a Mercer Marsh Benefits (MMB). 

 

A 6ª edição do estudo Health Trends 2020 da Mercer Marsh Benefits (anteriormente designado de Medical Trends Around the World), revela que 68% das seguradoras prevê um aumento do número das despesas relacionadas com diagnósticos, cuidados e tratamentos ao COVID-19.

 

As seguradoras admitem aumentos com os custos dos planos de saúde oferecidos pelas empresas e que continuem a superar a inflação em 2021. Em 2019, as seguradoras reportavam aumentos com custos na ordem dos 9.7%, sendo pouco menos de 3 vezes a taxa de inflação. Em 2020, preveem um aumento de 9.5% com despesas médicas, que é aproximadamente 3.5 vezes a taxa de inflação. Em 2021, 90% afirma que esta tendência se irá manter ou aumentar.

 

Paulo Fradinho, Country Business Leader da Mercer Marsh Benefits em Portugal refere: “O COVID-19 impactou profundamente a sociedade e economia, e em especial os cuidados de saúde. Pelo que acreditamos que as despesas com os mesmos vão continuar a aumentar, desta vez devido a questões relacionadas com o trabalho remoto e o estilo de vida mais sedentário, que incluem doenças do foro mental e musculoesqueléticas, e as preocupações constantes com as implicações a longo-prazo que o COVID-19 trará para a saúde mental e física.”

 

“Com o objetivo de responder aos novos desafios impostos pelo trabalho remoto e conter os custos, as empresas precisam de repensar radicalmente o leque de benefícios que oferecem aos colaboradores e de que forma poderão apresentá-los.”, afirma Paulo.

 

A crise de COVID-19 veio destacar as fragilidades dos atuais sistemas de benefícios, muitos dos quais são ainda em suporte de papel, o que impossibilita a sua consulta ou gestão remotamente. Com uma procura crescente, por parte dos colaboradores, por soluções que possam oferecer benefícios adicionais, por exemplo, na área da saúde mental, cuidados preventivos e uma gama amplificada de serviços digitais e online, as seguradoras estão cada vez mais a tentar ampliar o seu conjunto de soluções.

 

O estudo revela ainda um aumento no número de seguradoras que oferecem consultas médicas virtuais, ou “teleconsulta”, com 59% a afirmar que esta solução foi uma parte ativa da abordagem atual do plano de gestão, aumentando 38% face a 2019. Além disso, 55% refere que os seus planos cobrem agora iniciativas de saúde preventiva, como rastreios, e 20% indica estar ainda em fase de testes ou com planos já desenvolvidos, prontos para serem implementados nos próximos 24 meses. Os planos de saúde das empresas continuarão a ter um papel importante no que respeita a assegurar as necessidades de saúde dos seus colaboradores. Por exemplo, pouco mais de metade das seguradoras espera que os planos de saúde das empresas possam cobrir uma vacina para o COVID-19, especialmente na América Latina.

 

Foram ainda encontradas lacunas no que respeita ao apoio à saúde mental, apesar do aumento de pedidos verificados durante a pandemia. A título de exemplo, o aconselhamento psicológico online não é ainda generalizado, com apenas um terço das seguradoras a oferecer uma cobertura para tal; e 32% a afirmar que não providenciam planos com cobertura de serviços de saúde mental. Isto apesar do facto de em todas as regiões, a taxa privada das seguradoras, os sistemas de saúde comparticipados pelos planos das empresas serem mais eficazes que os sistemas de saúde públicos no que respeita à oferta de atos preventivos, diagnósticos e tratamento de perturbações mentais.

 

Os custos médicos têm vindo a superar cerca de 3 vezes mais a inflação geral nos últimos anos e este ano a tendência repete-se com um novo fator: a pandemia global de COVID-19. O impacto da pandemia nos custos tem variado com base em fatores como a natureza das despesas tipicamente cobertas nos planos de saúde ou a duração/escala dos confinamentos que afeta a utilização destes mesmos planos.

 

Em Portugal, a taxa de crescimento estimada em 2019 com custos médicos era de 1.5%, sendo que a taxa de inflação estimada neste ano rondava os 0.3%. Em 2020, a taxa projetada com custos médicos fixa-se nos 2.0%, sendo que a previsão da taxa de inflação é de -0.2%. 

 

Segundo Paulo Fradinho, Country Business Leader da Mercer Marsh Benefits Portugal, “À medida em que as despesas com a saúde aumentam e a recessão espreita, é importante que cada vez mais empresas consigam assegurar que os benefícios que providenciam aos seus colaboradores têm como objetivo melhorar a saúde, bem-estar, produtividade e o seu compromisso. A saúde dos colaboradores é um bem crucial para as empresas, ajudando-as a gerir a performance do negócio e a gerir o risco de forma eficaz. Os planos de saúde devem ser vistos como um investimento nas pessoas.”

 

O estudo Health Trends 2020 da Mercer Marsh Benefits contempla informação recolhida de planos de saúde de empresas distribuídos por 59 países, à exceção dos Estados Unidos da América, entre o início de junho e meados de julho de 2020. Este ano, o estudo contém uma tabela adicional com tendências quantitativas anuais na área da saúde, tendo por base dados recolhidos junto de aproximadamente 240 seguradoras, e ainda um índice respeitante aos aspetos financeiros das coberturas de seguros.

 

Sobre a Mercer

A Mercer dedica-se a co-construir futuros mais brilhantes, através da redefinição do mundo do trabalho, da melhoria dos resultados em pensões e investimento e da promoção da saúde e bem-estar das pessoas. A Mercer tem mais de 25,000 colaboradores em 44 países e opera em mais de 130 países. A Mercer é uma subsidiária da Marsh & McLennan (NYSE: MMC), a empresa líder global em serviços profissionais nas áreas de risco, estratégia e pessoas. Com receitas anuais de 17 mil milhões de dólares (USD) e 76.000 colaboradores em todo o mundo, ajuda os seus clientes a navegar num ambiente cada vez mais dinâmico e complexo através das quatro empresas líderes de mercado: a Marsh, a Guy Carpenter, a Mercer e a Oliver Wyman

 

Para mais informações, visite www.mercer.pt ou siga-nos no Twiter @MercerPortugal ou no Linkedin https://www.linkedin.com/company/mercer-portugal

CONTACT INFORMATION