CONTACT INFORMATION

Press Release

 

O NOVO ESTUDO MERCER EVIDENCIA UM CRESCIMENTO SIGNIFICATIVO NOS PLANOS DE PENSÕES EUROPEUS QUE ESTÃO A INCORPORAR AS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS NOS INVESTIMENTOS 

 
  • O total de planos de pensões a considerar o impacto das alterações climáticas nas decisões de investimento cresceu de 14% para 54%;
  • A grande maioria (89%) dos fundos de pensões europeus está mais alerta para riscos ESG (environmental, social and governance);
  • A diversificação para outros setores - que não as tradicionais fontes de rendibilidade dos investimentos – continua com uma redução do peso das ações  e um aumento de obrigações,  private equity e real assets

 

Lisboa, julho de 2020 - De acordo com o mais recente estudo da Mercer “European Asset Allocation Insights”, 54% dos investidores institucionais europeus estão a considerar o impacto das alterações climáticas nas suas decisões de investimento, acima dos 14% registados em 2019.

 

A Mercer tem estado em contacto com os seus clientes acerca deste assunto, no seguimento do lançamento do relatório “Investing in a time of Climate Change”, e espera ver ao longo do próximo ano mais fundos a ter em consideração os potenciais impactos das alterações climáticas.

 

O relatório da Mercer revelou que a esmagadora maioria (89%) dos fundos têm agora em consideração os riscos ESG na tomada de decisão de investimento, frente aos 55% em 2019. Enquanto a regulamentação continua a ser a principal razão das preocupações com os riscos ESG (85%), o mesmo estudo revela que grande parte (51%, acima dos 29% em 2019) é influenciado pelos benefícios percecionados no que se refere ao risco e ao retorno dos seus investimentos. Por outro lado, 40% refere que o faz para mitigar potenciais danos de reputação e 30% demonstra querer alinhar as métricas de risco ESG com as estratégias de responsabilidade corporativa já existentes. 

 

Rui Guerra, Partner da Mercer, refere: “É muito interessante ver que a perceção dos riscos ESG por parte dos investidores institucionais está a aumentar, incluindo o potencial impacto das alterações climáticas. Há muito que temos a visão de que estes elementos não devem ser colocados em segundo plano. Devem, sim, fazer parte ativa das decisões de estratégia de investimento. Para que isto seja relevante a  longo-prazo, os investidores devem ter a percepção do valor para as suas carteiras.  Esta tomada de consciência vai aumentando à medida que mais fundos e empresas começam a perceber como os riscos ESG podem impactar diretamente o retorno dos seus investimentos e como são percecionados pela opinião pública.” 

 

A 18ª edição do estudo Mercer, “European Asset allocation insights”, inquiriu 927 clientes investidores institucionais em 12 países, refletindo um total de ativos de cerca de 1.1 trilião de euros. O estudo anual da Mercer proporciona uma análise abrangente das estratégias de investimento do setor Europeu de pensões, identificando tendências emergentes no comportamento do investidor institucional. 

 

Em Portugal, continua a verificar-se um reforço das classes obrigacionistas, mais protetoras das responsabilidades no caso dos planos de benefício definido mas, ao mesmo tempo, uma maior diversificação das carteiras através de exposições mais globais (e não concentradas na europa) e considerando um conjunto de classes de ativos mais alargada (como, por exemplo, high yield, emerging markets e alternativos).

 

A recolha dos dados deste estudo foi anterior ao surto pandémico de COVID-19 que atingiu e afetou os mercados. No entanto, estima-se que os resultados deste survey estejam praticamente inalterados devido ao efeito das políticas de reajustamento e da recuperação do mercado. No entanto, Rui Guerra refere que “é muito importante avaliar se os factores que levaram à adoção de uma determinada política de investimentos permanecem válidos ou se é necessário proceder a algum acerto”.

 

 

Nota aos editores

* Os dados fornecidos pela Mercer foram recolhidos da sua base de clientes investidores institucionais durante o último trimestre de 2019 e o primeiro de 2020, tendo sido analisados e divulgados em meados do ano de 2020. O surto pandémico de COVID-19 não influenciou a recolha destes dados; no entanto, a Mercer acredita que os resultados deste survey estejam praticamente inalterados devido à volatilidade do mercado, uma vez que os investidos continuam com as mesmas estratégias de decisão no longo-prazo.

 

Sobre a Mercer

A Mercer dedica-se a co-construir futuros mais brilhantes, através da redefinição do mundo do trabalho, da melhoria dos resultados em pensões e investimento e da promoção da saúde e bem-estar das pessoas. A Mercer tem mais de 25,000 colaboradores em 44 países e opera em mais de 130 países. A Mercer é uma subsidiária da Marsh & McLennan (NYSE: MMC), a empresa líder global em serviços profissionais nas áreas de risco, estratégia e pessoas. Com receitas anuais de 17 mil milhões de dólares (USD) e 76.000 colaboradores em todo o mundo, ajuda os seus clientes a navegar num ambiente cada vez mais dinâmico e complexo através das quatro empresas líderes de mercado: a Marsh, a Guy Carpenter, a Mercer e a Oliver Wyman

CONTACT INFORMATION