Mercer identifica 8 prioridades da gestão de investimentos em 2017

Imprensa

Mercer identifica 8 prioridades da gestão de investimentos em 2017

  • 29 de março de 2017
  • Portugal, Lisboa

A Mercer divulga 8 ideias que as empresas especializadas em Gestão de Ativos devem priorizar em 2017 para melhor servirem os seus clientes e manterem-se competitivas num mercado caracterizado pelos exigentes desafios, inerentes ao aumento da regulamentação.

As alterações regulatórias e os avanços tecnológicos estão a alterar o cenário do negócio de Wealth Management”, refere Rui Guerra, Partner da Mercer. “Para se manterem competitivas e melhor servirem os seus clientes, os Wealth Managersdevem ver estas alterações como oportunidades para melhorarem as suas ofertas, as suas estratégias e a abordagem aos seus clientes”, conclui.

A Mercer sugere que as gestoras de ativos se foquem nos seguintes princípios em 2017: 

  • Preparação para as alterações regulatórias: As alterações na legislação continuam a ser uma das principais preocupações para os Wealth Managersem todo o mundo. Na Europa, por exemplo, a legislação MIFID II irá impor requisitos regulatórios adicionais aos Wealth Managers. Com este cenário e com a pressão nas comissões praticadas, os Wealth Managers devem aproveitar para melhorar e diferenciar o seu negócio. Recomenda-se a comunicação de um modelo mais robusto face à concorrência, tendo em conta a proposta de valor de forma a reter e atrair clientes.

 

  • Análise da gestão ativa: Continua a verificar-se uma tendência de maior utilização de estratégias de gestão passiva justificada na maior parte das vezes por comissões mais baixas e pelos recentes resultados menos bons de gestores de ativos. Quase oito anos de valorização dos mercados e com as taxas de juro nos valores mais baixos de sempre, a procura de gestão passiva (Beta) reduziu, enquanto as perspetivas de gestão ativa (Alfa) parece ter aumentado. As empresas devem considerar estratégias que procurem mitigar os riscos de perda e um foco no risco de cada ativo que compõe a carteira de investimentos.

 

  • Aproveitar a tecnologia: FinTech (financial technology) é a realidade atual para a indústria de gestão de ativos. Muitas empresas tecnológicas podem oferecer soluções de back-end e front-end e, muitas delas, estão em conformidade com a nova regulação e com as necessidades de compliance. Quanto mais os gestores forem capazes de implementar processos automatizados, mais tempo livre poderão dedicar ao acompanhamento dos clientes. A escolha de fornecedores de soluções tecnológicas deve ser prudente dado ser uma decisão fiduciária.

 

  • Parcerias com outros fornecedores: Neste novo cenário de avanços regulatórios e tecnológicos, as empresas de wealth management devem apostar nas suas vantagens competitivas e desenvolver uma combinação de recursos internos e externos para o research e soluções de investimento. Os mais exigentes requisitos regulatórios podem implicar um modelo de governance mais rigoroso e documentação de processos relativos a decisões de investimento, o que por sua vez pode levar a investimentos de grande dimensão ou a processos longos demais para serem desenvolvidos dentro da empresa.

 

  • Considerar investimentos alternativos: As elevadas valorizações nos mercados e as baixas yields das obrigações poderão fazer com que seja mais difícil alcançar os objetivos de rentabilidade. Os alternativos deverão assumir um papel cada vez mais importante numa altura em que os investidores assumem riscos adicionais e diferenciados, de forma a conseguirem obter os mesmos retornos do passado. Uma vez que os alternativos tendem a conter uma combinação de iliquidez e de risco, os consultores devem explicar esses cenários aos clientes e assegurar que entendem os diferentes produtos.

 

  • Incorporar ‘Environmental, Social and Governance’: Nos EUA, o DOL (Department of Labor Fiduciary Rule) facultou linhas gerais em 2015 que permitiram explicitamente às entidades fiduciárias a consideração de questões ambientais, sociais e de governance no momento da tomada de decisão dos investimentos. Acreditamos que este cenário se adequa às mudanças na indústria no sentido dos processos de gestão de ativos orientados por objetivos que incorporam metas financeiras e não financeiras num programa de investimentos. Os portfólios com parâmetros ESG podem também ser fonte de diferenciação para os wealth managers.

 

  • Estabelecer soluções personalizadas para o cliente: A abordagem “one-size-fits-all” para o wealth management tem vindo a ser colocada de parte em detrimento de serviços e soluções de aconselhamento baseados em objetivos personalizados a segmentos com diferentes características demográficas e de risco. Com a expectativa de que mais gestores incluam portefólios dedicados a pós-reforma que se focam no investidor, as soluções mais bem-sucedidas serão concebidas para alcançar, de forma razoável, objetivos claramente identificáveis relacionados com a capacidade de uma pessoa aproveitar rendimentos adequados e sustentáveis na sua reforma.

 

  • Considerar soluções discricionárias: A quantidade de ativos em contas discricionárias continua a aumentar anualmente. Estes ativos são historicamente investimentos a longo prazo, pelo que oferecem uma fonte de rendimento estável. Ainda assim, nem todos os clientes estão confortáveis em conceder o controlo total sobre as suas decisões de investimento. Este facto está a permitir o crescimento de um modelo de aconselhamento ativo.


Sobre a MERCER:

Na Mercer fazemos a diferença na vida de mais de 110 milhões de pessoas, promovendo o seu bem-estar, investimentos e carreira. O nosso negócio pretende criar futuros mais seguros e compensadores para os nossos clientes e os suas pessoas – quer estejamos a definir planos de saúde, a desenhar um plano de pensões, a definir estratégias de investimento ou a alinhar perfis de acordo com as necessidades das organizações. Ao desenvolver estudos e análises como agentes de mudança, antecipamos e entendemos o impacto individual das decisões de negócio, agora e no futuro. Percebemos as necessidades atuais e futuras das pessoas através de um foco na inovação e através de um conhecimento especializado e profundo que sustenta cada ideia e solução que oferecemos. Há mais de 70 anos, que transformamos o nosso conhecimento em ações, permitindo a pessoas de todo o mundo viver, trabalhar e aproveitar a sua reforma de forma adequada. Na Mercer, dizemos Make Tomorrow Today.

A Mercer LLC e as suas entidades separadamente incorporadas, com operações em todo o mundo, pertencem à Marsh & McLennan Companies, uma sociedade pública (NYSE: MMC), cotada na bolsa de Nova Iorque, Chicago e Londres. Em Portugal (Lisboa e Porto) desde 1993, a Mercer conta com uma equipa com mais de 250 profissionais que desenvolvem soluções para os desafios específicos dos seus clientes a nível local e global.

 

INFORMAÇÃO