67% das empresas do setor das TI e Telecomunicações querem crescer em 2022 com contratação de novos colaboradores

Estudo Total Compensation da Mercer para o Setor IT apresenta o retrato do setor em Portugal relativamente a políticas e práticas de compensação e benefícios.

As empresas do setor das TI e Telecomunicações encaram 2022 como um ano para o crescimento das suas operações. 67% das empresas têm intenção de crescer durante o presente ano e querem reforçar as suas equipas com mais colaboradores. Alinhado às perspetivas de crescimento, o crescente dinamismo do mercado de recrutamento é um desafio e a capacidade de atração e de retenção são temas no topo da agenda das organizações. Estas são algumas das conclusões do estudo “Total Compensation – Setor TI e Telecomunicações”, desenvolvido pela Mercer, junto de 68 entidades, que identifica as tendências dos pacotes de benefícios extrassalariais atribuídos pelas empresas do setor.

 

De acordo com os dados recolhidos pelo estudo, 67% das empresas indicam realizar revisões salariais pelo menos uma vez por ano, com o mês de janeiro a ser o mês preferido para essa atualização (33%). A percentagem de aumento salarial atribuída aos colaboradores é determinada por uma série de fatores, prevalecendo o desempenho individual (90%) e o nível da função (74%) e posicionamento face ao mercado (59%). A antiguidade (10%) é considerada como o fator menos influente na ponderação dos aumentos salariais.

 

Afirma Marta Dias Gonçalves, Rewards Leader da Mercer:


“Com o mercado de recrutamento muito ativo em Portugal, particularmente para as funções do segmento TI, as empresas estão cada vez mais focadas em manter-se competitivas e em conhecer as práticas de mercado. Além das componentes tradicionais de compensação e de benefícios - que se mantém como fatores de topo para a tomada de decisão dos colaboradores - as organizações procuram cada vez mais diferenciar-se e colocar outros fatores na equação (tais como flexibilidade, bem-estar ou cultura, por exemplo), numa ótica de Employee Value Proposition.”

 

Outro ponto relevante sobre o capital humano do setor das TI e Telecomunicações diz respeito à rotatividade de colaboradores. De acordo com o estudo, as saídas voluntárias das empresas foram, em média, de 11,4% nos níveis técnicos, sendo que a taxa de novos colaboradores atinge cerca de 23%. Neste sentido, o indicador anual de renovação da força de trabalho neste setor ascende atualmente a cerca de 34% (dados com base na platforma Comptryx da Mercer, relativos ao primeiro trimestre de 2022).

 

A atribuição de remuneração variável de curto prazo é uma prática da larga maioria das organizações

 

Segundo o estudo “Total Compensation – Setor High Tech e Telecomunicações” cerca de 85% das organizações inquiridas atribuem incentivos de curto prazo e 31% atribuem incentivos de longo prazo.

 

No que concerne a incentivos de curto prazo, a remuneração variável/atribuição de bónus é um benefício atribuído a toda ou a parte da estrutura das empresas inquiridas, sendo o potencial de ganho associado ao bónus alinhado com o nível de responsabilidade da função. Para todos os níveis de carreira a maioria das empresas baseia a atribuição de bónus no desempenho individual e nos resultados da organização.

 

Incentivos de vendas (59%) e partilha de lucros (18%) são outros incentivos de curto prazo referidos pelas empresas participantes no estudo.

 

Quanto a incentivos de longo prazo, a sua atribuição ainda não é uma prática generalizada na amostra analisada. Embora este tipo de benefícios seja mais frequente em níveis de carreira mais elevados, neste sector observa-se que a elegibilidade para este tipo de incentivo é superior a 50%, mesmo em níveis técnicos. Entre as tipolologias de planos mais frquentemente considerados destacam-se-Performance Shares(37%), Restricted Shares (32%), Share Options (21%) e  Long Term Cash (21%).

 

Plano de saúde, automóvel e seguro de vida são benefícios mais prevalentes

 

De acordo com as conclusões do estudo da Mercer, a atribuição de plano de saúde, de automóvel e seguro de vida são os benefícios com maior evidência nas organizações, atribuídos em 95%, 85% e 69% da amostra, respetivamente.

 

Relativamente à atribuição de plano de saúde, 70% das empresas analisadas indicam que este benefício atribui cobertura não só ao colaborador, como também ao cônjuge e filhos.

 

A atribuição de automóvel da empresa é um benefício atribuído por 85% das empresas inquiridas, particularmente para níveis acima de Manager. Na maioria das empresas é atribuído para uso profissional e pessoal, sendo que na maioria das empresas a viatura é maioritariamente atribuída de acordo com o estatuto ou antiguidade. O número de anos para substituição da viatura na maioria das empresas é igual ou superior quatro anos em todos os níveis de funções elegíveis.

 

Quanto ao seguro de vida, do universo de empresas que atribuem este benefício 91% cobre também situações de incapacidade, 100% tem cobertura para morte acidental, 73% cobre incapacidade acidental, 46% cobre também a morte por acidente e 18% a incapacidade por acidente de viação.

 

Nota ainda para o facto de 37% das empresas inquiridas indicarem que atribuem Plano de Pensõescomo benefício. Dentro deste grupo, 88% tem pelo menos um plano de contribuição definida.

 

Os planos de benefícios flexíveis já se encontram implementados em pelo menos 25% das organizações inquiridas, sendo que os benefícios mais frequentemente abrangidos incluem programas de transporte (100%), educação de dependentes (100%), benefícios de saúde (75%), ou soluções reforma (50%).

 

O estudo traça ainda o perfil das empresas participantes, permitindo ter um retrato da realidade do setor das TI e das Telecomunicações. 63% das inquiridas são multinacionais e têm a sua sede predominantemente na Alemanha, EUA e Países Baixos; 33% das empresas inquiridas têm menos de 100 colaboradores. Cerca de 60% dos colaboradores são do género masculino e ocupam cerca de 75% das posições de topo nas organizações. Aproximadamente 34% dos colaboradores têm menos de 35 anos de idade e cerca de 38% têm menos de três anos de antiguidade. Quanto a habilitações literárias, a informação recolhida indica que 61% dos colaboradores têm pelo menos o grau de licenciatura.

 

O estudo “Total Compensation – Setor High Tech e Telecomunicações”, desenvolvido pela Mercer, é o estudo de referência sobre tendências de compensação e benefícios do mercado português no setor, fornecendo aconselhamento estratégico e tático, sendo uma ferramenta crucial no suporte à tomada de decisões informadas e eficazes das organizações portuguesas.

 

 

 

 

Sobre a Mercer

A Mercer acredita na construção de futuros mais brilhantes através da redefinição do mundo do trabalho, da melhoria dos resultados em pensões e investimento e da promoção da saúde e bem-estar das pessoas. A Mercer tem mais de 25.000 colaboradores em 43 países e opera em mais de 130 países. A Mercer é uma subsidiária da Marsh & McLennan (NYSE: MMC), a empresa líder global em serviços profissionais nas áreas de risco, estratégia e pessoas, com 83.000 colaboradores em todo o mundo e com receitas anuais de cerca de 20 mil milhões de dólares. Ajuda os seus clientes a navegar num ambiente cada vez mais dinâmico e complexo através das quatro empresas líderes de mercado: a Marsh, a Guy Carpenter, a Mercer e a Oliver Wyman

 

Para mais informações, visite www.mercer.pt ou siga-nos no Twiter @MercerPortugal ou no Linkedin https://www.linkedin.com/company/mercer-portugal

 

 

 

Contactos